Entrevista com Walter Polido na revista Seguro é Seguro

O advogado Walter Polido, membro da Câmara de Mediação e Arbitragem Especializada (Cames Brasil), diz que os litígios na esfera judicial são culturais. “Os escritórios de advocacia se prendem nisso e os advogados não tem esse viés conciliador, por isso a maioria deles é contrária à mediação”, diz, fazendo coro com Penteado e Silar Jr, acrescentando “que advogados já vêm viciados no confronto pelas faculdades de Direito”.

DESCONFIANÇA – Polido acredita que o modelo mediação/conciliação ainda não decolou porque a sociedade o vê com desconfiança. “Se no meio jurídico essa desconfiança existe, imagine fora”, compara.

O advogado explica que nos contratos de resseguro – que é a operação pela qual o segurador transfere a outro parte de um risco assumido pela emissão de uma apólice ou um conjunto delas – a cláusula da arbitragem para resolução de conflitos é convencionada internacionalmente. No entanto, nos contratos de seguros, qualquer menção à utilização de mediação ou conciliação é praticamente inexistente.

“O caminho a percorrer é longo. Será preciso catequizar os advogados para esta forma pacífica de resolver conflitos, pois desde a faculdade são instruídos a briga, litigar”.

Apenas em São Paulo, existem mais de 24 milhões de processos ativos na Justiça.

Fonte: Conselho Nacional de Justiça.

*Matéria retirada da revista Seguro é Seguro, novembro/2020, página 15.

Tel.: (11) 5199-0555 / WhatsApp: (11) 99482-5903 contato@conhecerseguros.com.br