Câncer de mama já diagnosticado não impede de fazer seguro de vida

Anualmente, a campanha Outubro Rosa reforça um movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama, despertando alerta em mulheres com autoexame e a prevenção, já que a incidência desse câncer é o segundo maior do mundo e, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), projetam-se 74 mil casos por ano até 2025 no País. Esses dados e a constante preocupação da mulher com a própria saúde refletem ainda mais a importância de a população ter o seguro de vida.

De modo geral, de uns anos para cá, contratar seguro de vida parou de ser considerado item de luxo e passou a ser sinônimo de segurança, planejamento e cuidado, já que a maioria das pessoas o contratam em busca de garantir tranquilidade e benefício, principalmente aos entes queridos após sua morte.

Dados da Lojacorr mostram crescimento de mais de 23% dos seguros de vida individual contratados em todas as regiões do País de janeiro a setembro deste ano, se comparado ao mesmo período de 2022. As regiões norte e nordeste foram a de maior destaque, crescendo quase 34%.

Mas, o que muitos não sabem é que adquirir seguro de vida não é somente pensando no próximo (familiares beneficiados) ou para futuros diagnósticos de doenças graves ou utilizar em vida para invalidez e incapacidade para o trabalho, por exemplo. Também é possível fazer apólice para doenças preexistentes declaradas na contratação, incluindo o câncer de mama.

Pessoas já com histórico de doenças podem ter o seguro. “Não é somente os familiares que podem ser beneficiados, o seguro pode ser usado pelo próprio contratante e apesar de muita gente achar que com doença preexistente, não é possível fazer seguro de vida, ter a doença de conhecimento do contratante, em regra, não impede a contratação”, explica Antonio Carlos Fois, diretor Regional Centro Sudeste da Lojacorr.

Ele também explica que o que conta, realmente, é que o contratante não omita a informação na hora de contratar. “Quando o contratante for preencher o formulário é indispensável que ele seja honesto e declare doenças que já possui diagnosticadas, não omitindo a preexistência da doença para que na hora da seguradora aprovar, ele não seja comprometido pela cobertura”.

 

Produtos específicos

Hoje o mercado já está focado nesse nicho. A MAG Seguros, por exemplo, possui um produto específico e conta com a linha WinSocial, que agora faz parte do Pilar Bem-Estar, da empresa, reúne seguros de vida especialmente pensados para pessoas com condições crônicas de saúde, como diabetes, hipertensão, obesidade, doenças cardíacas/cardiovasculares, HIV, câncer de mama e câncer de próstata, condições que são responsáveis por uma grande parcela das mortes no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para Thiago Levy, consultor Comercial da MAG Seguros, é um produto mais democrático e inclusivo. “O movimento planeja democratizar ainda mais o acesso a seguros para pessoas comumente penalizadas pelas seguradoras do mercado, como portadores de diabetes e hipertensão. Com a inclusão dessas pessoas no mercado de seguros de vida, a MAG busca oferecer proteção para essas pessoas que convivem com essas condições de saúde e ajudar a promover a longevidade financeira de seus clientes e das suas famílias”, explica.

A necessidade de produtos voltados a doenças preexistentes vem da própria realidade do País. Segundo dados da Vigital 2021, pertencente a Vigilância de Fatores de Risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) do Ministério da Saúde e da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS/2019) do Instituto Nacional de Câncer (INCA), somente os casos de câncer de mama, há uma estimativa de 70 mil novos casos com aproximadamente 18 mil mortes por ano. Já o câncer de próstata, os dados mostram que também há uma estimativa de 70 mil novos casos por ano, com cerca de 16 mil mortes anuais.

Além disso, o Brasil possui ainda 8% da população com diabetes, aproximadamente 15 milhões de pessoas; 20% da população adulta com hipertensão, cerca de 40 milhões de hipertensos no País; Mais de 45 milhões de pessoas com obesidade, equivalente a 22% da população brasileira; Ainda de acordo com o INCA, são mais de mais 8 milhões de brasileiros adultos, ou 5% da população referente a esse recorte (+18 anos) com doenças cardíacas/cardiovasculares e, aproximadamente, 1 milhão de pessoas convivendo com HIV.

Por fim, Levy explica ainda que para contratar o seguro de vida da WinSocial, a pessoa precisa fazer uma simulação e responder um questionário sobre saúde e hábitos de vida. “Com objetivo de entender qual deve ser o valor contribuído. Feito isso, a pessoa define suas necessidades e fica ciente do preço final a ser pago, o que também varia conforme a cobertura escolhida”, finaliza.

 

Fonte: Lojacorr

 

Cursos relacionados da Conhecer Seguros:

>> Seguro Saúde Suplementar
>> Seguros de RC: Profissionais da Área da Saúde
>> Lei Geral de Proteção de Dados e as Operadoras de Planos de Saúde

Veja também:

Planejamento sucessório: benefícios do seguro de vida em um acordo de acionistas
Superendividamento do consumidor e a necessidade de interpretação razoável e econômica
Superendividamento do consumidor

SOBRE NÓS

A empresa Conhecer Seguros foi criada por profissionais experientes nas áreas de educação, seguros e finanças que, ao contarem com carreiras consolidadas, resolveram se unir para compartilhar conhecimento técnico com o mercado de seguros brasileiro.

top

Tel.: (11) 5199-0555 / WhatsApp: (11) 99482-5903 contato@conhecerseguros.com.br